Bordado renova tendência do feito à mão

Bordado renova tendência do feito à mão

Bordado é uma atividade bem antiga, mas que vem se renovando a cada dia. Um bom exemplo? Essas meninas jovens, com menos de 30 anos, de piercing no nariz e cabelo colorido, são as mais novas bordadeiras do pedaço. Elas chamam a atenção não só pelo visual, mas pelo lindo trabalho que desenvolvem. Vamos conhecer a história do Clube do Bordado?

Camila, Renata e Laís: três das seis integrantes do Clube do Bordado

Camila, Renata e Laís: três das seis integrantes do Clube do Bordado

O exercício de passar a linha e a agulha pelo tecido, num vai e vem, nos faz silenciar e desconectar. O bordado reaparece com força total num momento em que o mundo precisa de um respiro. Para você, o bordado é uma atividade terapêutica? Para as meninas do Clube, Renata Dania, Camila Lopes e Laís Souza, é terapia e mais.

Renata conta que o bordado é uma forma de expressão. “A Camila sabia bordar e a gente queria muito aprender”, conta. No primeiro dia, as meninas já fizeram seu primeiro bordado. Aprenderam os pontos haste, ponto atrás, ponto cheio e margarida. Fizeram um flor com seu cabinho. Da flor, floresceu o clube! “E aí, vieram outras reuniões… já são dois anos de Clube do Bordado e viramos superamigas”, relembra Renata.

Materiais necessários para começar a bordar! Bastidor, corte de tecido de algodão cru, agulhas número 7, tesoura, linhas de meada, fita crepe, carbono e lápis

Materiais necessários para começar a bordar! Bastidor, corte de tecido de algodão cru, agulhas número 7, tesoura, linhas de meada, fita crepe, carbono e lápis (crédito da foto: reprodução Facebook Clube do Bordado)

O bordado é um pouco como a vida. Tem idas e vindas, é construído ponto e ponto, com paciência e resiliência. Há algum ritual envolvido ao bordar. Às vezes, é preciso desmanchar algo que não está legal e o avesso… ah, o avesso é tão ou mais importante do que o lado de fora, o que se vê primeiro. Hmmm, realmente lembra a nossa vida, né? Precisamos estar bem de fora para dentro e de dentro para fora. Falando nisso, como anda o seu “avesso”?

Bordado manual: o poder está em suas mãos

Renata, Camila e Laís descrevem uma cena inusitada: “quando estamos no parque bordando e alguma senhorinha nos vê, elas se aproximam para ver nosso trabalho e sempre se surpreendem com o nosso bordado. Elas ficam felizes por verem a técnica do bordado renascer e ver que a tradição não está perdida.”

“Teve um gap de geração, pois já não era uma atividade valorizada nem obrigatória. A geração das nossas mães, por exemplo, foi procurar outras coisas, foi se encontrar no trabalho, que era valorizado. A gente percebeu que era possível conciliar trabalho e outras coisas da vida com o bordado”, diz Laís.

Bordado representa o feminino, feito pelo Clube do Bordado

Bordado moderno em bastidor feito pelo Clube do Bordado

O Clube do Bordado surge juntamente com um movimento mundial de valorização de tudo o que é artesanal, feito à mão, exclusivo, que leva tempo e rompe a cadeia produtiva.

“Existe um retorno à prática manual, voltar a mexer com as mãos”, completa Renata.

Cada uma das integrantes do Clube (são seis ao todo, além de Camila, Renata e Laís, que vão ensinar todas as técnicas no curso da eduK, completam o sexteto: Marina Dini, Amanda Zacarkim e Vanessa Israel), traz uma característica que ajuda a montar a identidade do trabalho em bordado. “Foi espontâneo, cada uma trouxe seu jeito e a unidade veio sem querer”, contam.

Entre os temas, aparecem a questão do corpo, de liberdade, do amor próprio, bordados ousados, eróticos e também românticos. “Vendemos a ideia da diversidade de formas, da diversidade estética, étnica, de amar a si mesmo. São homens, mulheres, casais gays, trans, negros, ruivos, loiros, morenos… as pessoas se sentem representadas”, explica Renata.

Bordado como negócio

As meninas do Clube não vivem dos bordados que fazem. Todas têm outros empregos. Mas o sonho é transformar o bordado em um negócio. Laís, considerada a “pé no chão” do Clube, está buscando capacitação para poder administrar, precificar, fazer a contabilidade, enfim, desenvolver o Clube e torná-lo financeiramente viável, enquanto as demais se concentram na criação e no aperfeiçoamento da técnica. “Nossa ideia, é fazer bordados maiores, que sejam vistos como obras de arte”, conta Camila.

Confira 5 dicas para ter sucesso no seu negócio de artesanato

Quer formalizar seu negócio e crescer como empreendedor? Esse guia de como ser MEI ensina o passo a passo!

Elas já perceberam a força das redes sociais para seu negócio. E levam isso a sério! Elas se dividem nas funções: uma alimenta a página, postando conteúdo e fotos; outra responde às mensagens inbox e às solicitações de pedidos e encomendas.

Linhas e linhas para bordar. A imaginação voa!

Linhas e linhas para bordar. A imaginação voa! (crédito da foto: reprodução Facebook Clube do Bordado)

Quero começar a bordar. Como eu faço? “O bastidor facilita muito a vida de quem está começando, deixa o tecido bem retinho. A agulha impacta no resultado final do bordado, quanto mais fina, mais delicado fica. Indicamos a linha de meada e a agulha número 7 para quem está começando. Uma boa tesoura com ponta para desmanchar, caso precise. Não pode ter preguiça de desmanchar!”, diz Camila.

Bordado antigo X bordado moderno

As criações do Clube do Bordado são consideradas modernas, pelos temas que retratam. Para ter tanta inspiração, elas fazem pesquisas, por exemplo, em livros antigos de botânica, quando precisam bordar uma flor. “Estudamos proporção, anatomia”, revelam, “e não fazemos cópias jamais!”.

Os motivos do bordado moderno também são diferentes dos retratados no bordado antigo ou tradicional. “Antes, eram temas da natureza, pessoas em situações bucólicas. No bordado moderno, o principal é a ilustração. Hoje é permitido ousar no tema, é usado na decoração, considerado arte. O bordado passa uma mensagem, é uma forma de expressão”, explica Renata.

O toque romântico também aparece nos trabalhos do Clube do Bordado

O toque romântico também aparece nos trabalhos do Clube do Bordado

Além da diferença na forma como o bordado moderno é feito, a mensagem que carrega cada peça, as meninas do Clube subvertem a lógica que diz que bordado é coisa de boa moça. “Somos boas moças sim, mas com toque de rebeldia. Boas moças com opiniões fortes.”

E a ideia dessas boas moças bordadeiras é seguir bordando e criando, até ficarem velhinhas. “Os trabalhos manuais ajudam as pessoas em todas as fases da vida!”, reforça Renata. E aí, alguém duvida?

Gostou da história do Clube do Bordado? Já conhecia o bordado moderno? Sabe bordar? Conta tudo pra gente aqui nos comentários.

Sobre

eduK

Posts Relacionados
5 comentários
  • Eunice Rosa dos Santos Martins vieira

    outubro 16th, 2015 17:50

    Sim, muito inspiradora a história destas meninas, bordo desde criancinha, aprendi com minha avó Chiquinha, uma portuguesa muito prendada, fazia tricô, crochê,frivolite, renda de bilro e renascença e ensinou as netas a bordar, ela costurava as nossas roupas e nós fazíamos os acabamentos, como pregar botões, fazer as casas dos botões e a bainha das roupas, nossas roupas eram as mais lindas, ela usava bons tecidos, linho, cambraia, popeline, tricoline, tudo 100% algodão. Sempre conciliei o trabalhar fora e dentro de casa com alguma manualidade, pois sou muito ansiosa e os trabalhos manuais me acalmam e me colocam no eixo. Parabéns as meninas, muito bom saber que existem jovens interessadas nestas artes manuais.

    Responder
  • Alessandra de Cássia

    Janeiro 25th, 2016 13:34

    Apaixonada...

    Responder
  • Francisca Ribaneza Pinto Lima Ramos

    Março 10th, 2016 19:34

    Não sei bordar nadica, vocês acham que eu posso ainda aprender. Ribaneza Lima de Caucaia, Ceará.

    Responder
  • Clery Maria Fernandes Renno

    julho 18th, 2016 13:43

    Minha avó era muito prendada. Sabia bordar coisas maravilhosas, fazia tricô e crochê com muita facilidade. Minha mãe tb sempre soube bordar. Nunca conseguiram me ensinar pelo fato de serem de atrás e eu canhota. Fiquei a vida inteira frustrada com isso. Consigo aprender neste curso ou é só para destras?

    Responder

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *